segunda-feira, 20 de abril de 2015

Arte na capa com a artista plástica Monica Nitz

Arte na Capa com Monica Nitz

O arte na capa deste mês de Abril é com a prestigiada artista e documentarista Monica Nitz. Na entrevista Monica conta um pouco sobre seu início, pintura de ação (técnica usada por ela), seus lindos trabalhos e a estadia no exterior. E não se esqueça de fazer a inscrição do sorteio da caderneta memórias da cor.


Entrevista


Aline: Como e quando começou a se aventurar no mundo das artes?

Acredito que a criatividade sempre fez parte da minha vida. Na minha infância sempre gostei muito de imaginar, experimentar e inventar coisas, e percebo experimentações daquela época que ecoam nos dias de hoje. Porém demarco o meu despertar para as artes justamente através de um sonho. Nos tempos do curso de RTV comecei a sonhar que estava desenhando, dias seguidos, e só deixei de sonhar aqueles desenhos quando comprei lápis e papel para extravasar minha criatividade. Desde essa época nunca mais deixei de desenhar e de produzir. Em 2002, ingressei no curso de artes plásticas da UFES onde pude aprofundar meus conhecimentos e experimentações.

Aline: Você utiliza em suas obras a técnica pintura de ação que vai muito além das pinceladas, como surgiu o interesse por está técnica?

A pintura de ação é um trabalho corporal documentado em cor. É uma pintura que fala da memória. Memória da ação que acontece através da fluidez da tinta nanquim, através da gravidade, das manobras com o suporte ou da manobra do corpo nos espaços, com os sopros e as linhas que reincidem. São eixos afetivos que demarcam e geram um território próprio pelos traços que transbordam. Imprevistos se acumulam e deixam espaço para o corpo que aprecia e se relaciona. 

Esta técnica específica de pintura de ação eu desenvolvi durante meu curso de artes na UFES, onde as experimentações aconteciam de forma intensa nas produções e nos estudos.

pintura em ação

Aline: Como foi a experiência de participar de uma residência artística e expor suas obras na Europa? 

Foi muito importante. Através residência artística desenvolvida no Festival Espírito Mundo, importante projeto de internacionalização realizado pelo Instituto Quorum há 7 anos, eu circulei com minha pintura de ação e o projeto audiovisual Memória da Cor pela Áustria, França e Itália, lugar que permaneci por mais tempo. 

Na cidade de Matera (Itália), que foi eleita capital européia da cultura para 2019, pude desenvolver com mais profundidade a vivência e os estudos propostos. Isto é sem dúvida alguma uma experiência inesquecível. E para finalizar muito bem esta imersão de pinturas, filmagens e fotografias que aconteceram nesta vivência, fui convidada por Monica Palumbo para ser a artista de estréia da abertura de sua galeria Momart Gallery, situada no coração do Sassi histórico de Matera. 

Matera



A exposição "Memorie del Colore" reuniu todas as pinturas realizadas nos lugares percorridos nesses 4 meses de residência artística e também uma instalação com os vídeos do projeto audiovisual Memória da cor que geraram, e vão gerar, um apanhado de extratos de memória de muitos lugares itinerados, mas principalmente sobre Matera, lugar que se tornou sua a segunda casa no tempo que esteve na Itália.

Por fim digo que é necessário ir, desbravar outras fronteiras, conhecer lugares e pessoas com culturas totalmente diferentes da nossa, trocar sempre afeto e conhecimento; isso por fim, nos faz pensar e caminhar em direção a conhecer mais de nós mesmos.

Aline: Além de artista você também é documentarista, de alguma forma você consegue envolver sua arte (pinturas) nos documentários?

O Artista se expressa. A arte se concretiza de diversas formas, na pintura, no traço, no rastro, na fotografia, na memória, no gesto, no território e além.

Há quase 3 anos venho desenvolvendo parceria com o cineasta e documentarista Ricardo Sá em seus projetos de documentários etnográficos e históricos. Está influência, além da minha pesquisa sobre memória e fotografia foram me levando a pensar em desenvolver um projeto audiovisual, um documentario-arte-experimental de fragmentos de minhas memórias pessoais sobre os lugares.

Esta residência artística internacional também marcou o inicio do projeto audiovisual “Memória da cor”. Composto de registros das relações de memória com a vivência nesses lugares itinerantes percorridos. Esta Memória da cor de linguagem minimalista e subjetiva se projeta em fotografias, vídeos e sons indiciais na tentativa de apreender, com um olhar afetivo, extratos dessa memória da cor dos lugares. Esses extratos podem ser projetados em lugares e arquiteturas e/ou compartilhados na rede.


Aline: Em que você se inspirou para fazer a capa e qual a técnica utilizada?

Esta obra faz parte da série Memorie del Colore - pinturas realizadas em uma turnê na Itália durante a residência artística em parceria com o Espírito Mundo por diversas cidades onde apresentei minha pintura de ação. Esta série me inspira desbravar novos territórios, trocas culturais e novas amizades. É sentir realmente o mundo em movimento.

Sobre Monica Nitz Image Map

Nenhum comentário :

Postar um comentário